sexta-feira, 11 de janeiro de 2008

O Monza

Vendo monza, 93, 1.8, gasolina, azul. O número do telefone para contato vinha em seguida.

Não, estava muito simples, o Monza era muito mais que isso, mesmo para um anúncio de classificados no jornal. Reescreveu.

Vendo monza, 93, muito bom estado, motor 1.8, potente, gasolina, azul oxford, todos os documentos em dia, único dono.

Permaneceu imóvel, frente à tela do computador, com exceção dos olhos que moviam-se seguindo as linhas do pequeno texto que acabara de escrever. Leu duas, três vezes. Ainda não fazia jus ao Monza. Apagou tudo e escreveu novamente.

Monza, 93, ótimo estado, muito bem cuidado, sem sequer um arranhão, ou nenhum que valha a pena nota; os bancos foram forrados com um tecido escolhido cuidadosamente para agradá-lo [agradar o Monza!]; se concentrado, até hoje em seu interior, pode-se, acredite se quiser, sentir o cheiro de carro novo [ou será mero produto da minha imaginação ao recordar da primeira vez que entrei nele?]; tem um macaco albino de pelúcia pendurado no espelho retrovisor, dado pela Flavinha, que comprou dizendo que combinava com o carro - apesar de não concordar, deixei que ela pusesse lá; tem uma dançarina havaiana que comprei na viagem para Bonito [bem longe do Havaí, é verdade] grudada no painel, que já disseram que é muito brega, mas que ainda me faz rir quando mexe, sacudindo de um jeito engraçado a cabeça, a cintura e os braços; tem também infinitas lembranças minhas, das viagens a bordo dele, das vezes que já me serviu de cama [quem nunca dormiu dentro do carro? Ninguém além de mim? Não!?], e dos namoros às escondidas dentro dele; Azul oxford, todos os documentos em dia, único dono. Fez uma pausa, releu, acrescentou no final E é meu, e não vendo!

Agora sim, perfeito!

---

Para ouvir:

12 comentários:

Monsieur Coçard disse...

é por essas e outras que quando se vai vender algo que fez parte de nossa vida(me refiro à objetos) não devemos pensar muito senão dá nisso :D hohoho

Monsieur Coçard disse...

por isso eu acabo dando minhas coisas a alguém que eu sei que vai dar valor e cuidar bem... doando eu me sinto melhor que vendendo

Silêncio de Chumbo disse...

tem algumas coisas que é impossivel vender.... =)

Carolina disse...

iauaiauaiauaiauaiauieua;

Perfeito!

Eu também não venderia o meu :P

beijos ;**

disse...

Agora pronto, tô me sentindo a pior das mulheres por ter vendido o Genival... :(

Fê Probst disse...

O que é seu, é seu.

Lara disse...

Não sei porque, me lembrei do filme transformes hehehhe
Lindo post!
BJus

Izabela disse...

Isso é que é gostar de um carro... E eu achando que me apegava muito ai meu namorado =\

Voltei a blogar, volta a me linkar?!

Beijos!

Izabela disse...

Isso é que é gostar de um carro... E eu achando que me apegava muito ai meu namorado =\

Voltei a blogar, volta a me linkar?!

Beijos!

Bárbara (B.) disse...

É... melhor não vender mesmo. Guarda com carinho e cuida. :)

lisiê. disse...

é, fica com o carro, haha.
eu fiz um novo blog e tal :)

Anna Flávia. disse...

Muito bom! Representa bem como é difícil se desfazer do nosso querido carro. hehe
É incrível. Quanto mais tempo passamos com o carro, mais triste será a 'separação'.

Beijo

Ocorreu um erro neste gadget