domingo, 26 de agosto de 2007

Descoisas

Conheceram-se numa tarde agosto, fazia muito calor. Olharam-se, gostaram-se, apaixoram-se. Ela tinha-o como um ser perfeito, ele tinha-a como um ser divino - divinos olhos, divinos lábios, divina pele, divino cheiro, divino gosto... E Eram deliciosas as horas que passavam conversando, tão deliciosas quanto as horas quando o silêncio e os olhares faziam-se suficientes para que se entendessem inteiramente. Juntos planejaram, contruíram sonhos, arquitetaram um futuro com lençóis e cortinas brancas numa casa à beira da praia e mais uma dúzia de filhos.

O tempo passou e um dia ela percebeu que não, ele não era perfeito. Ela desejava a perfeição! O tempo passou e um dia ele começou a ter dúvidas sobre a Divindade. Juntos desplanejaram, descontruíram os sonhos, esqueceram dos lençóis e das cortinas brancas na casa à beira da praia, resolveram deixar que aquela dúzia de crianças tivesse outro pai e outra mãe.

Agora, é triste ver quando encontram-se, comprimentam-se apenas com um seco e distante aceno com as mãos.

---

Para ouvir:

8 comentários:

Carolina disse...

oolá!!

Nossa, sabe que só hoje consegui entrar no seu blog?! Porque eu baixei o firefox, e no IE o seu blog não abre, na verdade ele trava tudo!!

Bom, mas enfim voltarei a comentar sempre aqui!!

;D

Eu acho que alguém pelo menos uma vez na vida viveu a história desse texto, pelo menos comigo é assim! É chato isso, até porque um dia fiz planos com essa outra pessoa...

Beijoos moço =*

Bia Ferreira disse...

Até que enfim vc se pronunciou por aqui!!!!!
é clichê mas vc sabe que "ninguém é perfeito" né?
beijos

Lara disse...

Acreditar na perfeição e na divindade humana é sempre uma coisa complicada...
BJus moço!

B. disse...

Encontrarás a tal divindade de volta, não nos mesmo olhos, mas encontrarás. A vida é assim mesmo.

De volta pra valer? Ou só estás colocando o doce na boca da criança pra roubar depois?

Beijo meu.

Ps: Recebi tua mensagem, mas não pude responder. Também sinto saudades, moço. Muita.

Ataualpa S.Pereira disse...

Que graça teria encontrar a pessoa certa se não existissem as erradas?

Pensemos nisso.

Mulher Aspirina disse...

É assim... amores vão, outros surgem.
Adorei isso aqui, bom texto, boa escrita.
Beijocas da Mulher Aspirina pra ti.

Nana Flash disse...

Eu sei que essas coisas acontecem, sei que isso eh natural, mas nunca deixo de sentir um nó na garganta quando penso nisso, msm pq passei por coisa parecida faz pouco tempo :(
Beijos, saudades

Rodolfo disse...

ótimo texto!
muito bem escrito e com esta melancolia sutil dos sonhos que passaram.
Mas outros sempre vem. ou não.
Um abraço.

Ocorreu um erro neste gadget