sábado, 19 de setembro de 2009

Sublinhados

Eu havia tirado seu sapato do pé esquerdo e arranhado a sola do pé com uma chave — um teste de reflexo aparentemente frívolo, porém essencial — e em seguida, pedindo licença para parafusar o oftalmoscópio, deixei-o sozinho para que ele calçasse o sapato. Para minha surpresa, um minuto depois ele não o calçara.

"Posso ajudar?", perguntei.

"A fazer o quê? Ajudar quem?"

"Ajudá-lo a calçar o sapato."

"É mesmo, eu tinha esquecido o sapato", disse ele, acrescentando sotto voce "O sapato? O sapato?". Ele parecia desconcertado.

"Seu sapato", repeti. "Talvez queira calçá-lo".

Ele continuou a olhar para baixo, embora não para o sapato, com uma concentração intensa mas mal dirigida. Por fim seu olhar parou sobre seu pé.

"Esse é meu sapato, não?"

Eu teria ouvido mal? Ele teria visto mal?

"Meus olhos", ele explicou, levando a mão ao pé. "Este é meu sapato, não é?"

"Não, não é. Esse é seu pé. O sapato está ali".

"Ah! pensei que aquele fosse meu pé".

---

Em: Sacks, O. W. (1997). O homem que confundiu sua mulher com um chapéu e outras histórias clínicas. São Paulo: Companhia das Letras.

---

Para ouvir:

2 comentários:

Ocorreu um erro neste gadget